Presidentes da ANEL

 

anellogo

ANEL - Associação Nacional dasEmpresas de Lavanderia

Rua Pais de Araújo 29, CJ 112/113
Cep: 04531-090 - Itaim Bibi / São Paulo-SP

Telefax: (11) 3078-8466

E-mail: This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Presidentes da ANEL 
 
1. JERONYMO THOMÉ DA SILVA – IN MEMORIAN
2. JOSÉ FRANCISCO CAVALLINI IN MEMORIAN
3. RENÉ LOTFI JR – IN MEMORIAN
4. FERMIN AMIL MONTERO FILHO IN MEMORIAN
5. OMAR ZEIN
6. LUIZ ALBERTO NUNES CABRAL
7. OTHON BARCELLOS CORREA SOBRINHO
8. ARMANDO MACHADO BORGES FILHO
9. ANTONIO CARLOS BELÉM DE MENDONÇA
10. PAULO CÉSAR DANTAS FERNANDES
11. PAOLA TUCUNDUVA


O primeiro presidente da ANEL foi Jeronymo Thomé da Silva, da Cia Paranaense de Lavanderias,
em Curitiba, Paraná, do segmento doméstico. Foi fundador da ANEL.
Desempenhou papel importante na fundação da entidade, percorrendo todos os Estados da Federação
para conseguir adesão das principais lavanderias do país. Voltou a ser presidente em várias outras
ocasiões, sempre interessado em manter a associação viva e atuante. Todos abaixo são falecidos.

Thomé ( ao centro), com Fermin (a esquerda) e Rene (a direita)

anelpresidente0
 

O segundo presidente foi José Francisco Cavallini, da Eureka Lavanderia, de Belo Horizonte,
do segmento doméstico. Também fundador da entidade, Cavallini se caracterizava pelo seu
estilo arrojado e empreendedor. Promoveu novos cursos e reorganizou a parte administrativa da entidade.

Othon Barcellos Corrêa Sobrinho, da Rotovic e Vip Lavanderia, de São Paulo, dos segmentos doméstico e
industrial, foi presidente da ANEL por duas vezes. Organizado e empreendedor, foi o grande incentivador
para a publicação do Informativo ANEL e, mais tarde, da revista Lavanderia&Cia. Esteve sempre presente
na trajetória da Associação, exercendo diversos cargos ao longo destes 30 anos.

René Lotfi Júnior, da Lavanderia Cysne, de São Paulo, dos segmentos doméstico e industrial,
deu grande contribuição à divulgação de conhecimentos para as lavanderias de jeans.
René também exerceu diversos cargos na entidade, como Diretor Administrativo e Presidente do Conselho Deliberativo.

Fermin Amil Montero Filho, da Lavanderia da Paz, em São Paulo, do segmento industrial,
sempre atuante desde a fundação e tendo exercido por diversas vezes o cargo de Diretor Técnico,
com grande entusiasmo, também foi presidente da ANEL. Por sua determinação e empenho, foi comprada
a primeira sede da entidade, no bairro do Morumbi, em São Paulo. Fermin foi pioneiro em tratamento
de efluentes em São Paulo e sempre transmitiu às lavanderias a necessidade de reaproveitamento de água.
Foi o pai do projeto Túnel no Brasil e Realizou a feira Lavexpo.

Omar Zein, da Lavanderia Antares, de São Paulo, especializada em jeans, em sua gestão como presidente,
realizou a feira Interlav, de fornecedores de lavanderia.
 Além disso, através de convênio com Sebrae e Senai, desenvolveu um modelo padrão de tratamento de efluentes
líquidos para lavanderias industriais.( o de óculos e barba) 

 

 Luiz Cabral, da Lavanderia Plus, de São Paulo, do segmento de jeans, já como vice-presidente ajudou na solução
da liberação do uso do GLP em lavanderias, participou de viagens internacionais, acompanhando associados,
e se destacou no desenvolvimento das lavanderias que têm como clientes as confecções.

Armando Machado, da Alsco Toalheiro Brasil, multinacional do segmento industrial, defendeu o uso de
percloroetileno em lavanderias, alavancou mudanças nos cursos técnicos e no aperfeiçoamento na
revista Lavanderia&Cia. Deu força para a realização da Expolav, feira de fornecedores do ramo,
organizada pela Alcântara Machado.( ao centro com gravata)
anelpresidente1

Antonio Carlos Belém de Mendonça, da Lavamatic e Lavatec, do Maranhão, dos segmentos doméstico e industrial,
realizou mudanças administrativas, promoveu a reforma dos Estatutos Sociais da ANEL, tornando as eleições
mais democráticas, criou o Lavíndice, e diversificou os produtos da Associação.( ao centro de óculos)
anelpresidente2 

Paulo César Dantas Fernandes, das Splash Lavanderia, do Rio Grande do Norte,deu ênfase à comunicação para que
os associados fiquem a par de todos os serviços oferecidos pela ANEL e deles se beneficiem.
Criou novas seções na revista Lavanderia&Cia, novos cursos e o Clube de Parcerias, entre outros produtos.

 Paola Tucunduva, da Rotovic Lavanderia, em São Paulo, atualmente em exercício 2010/2012

 

A Associação Nacional das Empresas de Lavanderia foi criada em 1977,
 por um grupo de 54 empresários de todo o Brasil com o objetivo de
representar e fortalecer a classe, fomentar o desenvolvimento técnico e a troca de experiências.

Hoje, seus associados continuam com este mesmo objetivo: a construção de uma aliança,
em círculo de relações e parcerias para um crescimento comum.

 Relação dos Diretores 

Cargo 

Nome 

Empresa - UF 

Presidente

Paola Borges Barcellos Tucunduva

Rotovic – SP

Vice - Presidente

Ananias Magalhães Neto

Prontlav – CE

Adm/Financeiro

Rui Sérgio Torres

Lavasecco – SP

Ciência e Tecnologia

Marie Arimura

Atmosfera – SP

Doméstico

Edson Rogério Gonçalves

Evolution – SP

Industrial

Edson di Nardi

Magnus – SP

Jeans

Marco Aurélio Britto

GB – ES

Hospitalar

Attilio Augusto Almeida Regis de Moura

Lavatec – PE

.

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 

Maria Ramos (coordenadora técnica a esquerda) e Paola Tucunduva (Presidente a direita)

Aracne a Tecelã, Mitologia.

Aracne a Tecelã, Mitologia.

Segundo a mitologia grega, Aracne era uma jovem tecelã que vivia na Lídia, em uma região da Ásia Menor chamada Meônia.
Seu trabalho era tão perfeito que, em todas as cidades da Lídia, Aracne ganhou fama de ser a melhor na arte de fiar e tecer a lã.

Eram os deuses, com sua generosidade, que concediam às criaturas seus talentos e habilidades, mas os mortais, com sua capacidade
natural de esquecer as coisas, às vezes cometiam a tolice de gabar-se de seus próprios feitos. Assim aconteceu a Aracne, que deixou-se
dominar pela vaidade e passou a vangloriar-se de sua habilidade como tecelã. Até que um dia alguém veio lembrá-la de que ela era discípula
de Atena. Atena (Minerva, na mitologia romana) era filha de Zeus, e além de ser a deusa da Sabedoria ,era a deusa que presidia as artes e
os trabalhos manuais -- a tecelagem inclusive. Aracne ficou extremamente ofendida e, querendo provar sua independência e auto-suficiência,
 caiu na fraqueza de afirmar que podia competir com Atena e seria capaz de derrotá-la na arte da tecelagem.

Atena disfarça-se e vai procurar Aracne


Ao saber da presunção de Aracne, Atenas foi procurá-la disfarçada como uma anciã e pediu-lhe que a escutasse, devido à experiência de sua
 idade avançada: "Busque entre os mortais toda fama que desejar, mas reconheça a posição da deusa". Porém, a famosa Aracne não percebeu que
 se tratava de Atena e, além de zombar da anciã, reafirmou seu desafio: "Por que motivo sua deusa está evitando competir comigo?"

Atenas revela-se

Ao ouvir isto, Atenas apareceu em sua forma verdadeira, e todos se puseram a reverenciá-la, exceto Aracne, que permaneceu impassível,
 pois o senso de poder que sua habilidade lhe dava tornava-a ousada em excesso.

A competição

Atenas desafiou Aracne a provar que seria capaz de vencê-la e as duas deram início à competição. Sentaram-se e começaram a tecer,
cada qual procurando produzir a obra vencedora.

O que Atena teceu:

Atena retratou a cidade de Atenas e os deuses em seus tronos, e entre os deuses a oliveira que ela havia criado durante uma disputa
com Posseidon e graças à qual foi proclamada a protetora da cidade. Retratou também Niké, o símbolo da Vitória e nos quatro cantos
da tela, desenhou quatro cenas mostrando o que havia acontecido a alguns mortais que desafiaram os deuses e em que eles acabaram sendo
 transformados.
Coroando o trabalho, Atena teceu uma grinalda de folhas de oliveira, que é até hoje um símbolo de paz.

O que Aracne teceu:

Aracne, a perfeita tecelã, achou de retratar o maior de todos os deuses --Zeus -- por ocasião de suas conquistas amorosas.
E então foi tecendo diversas cenas em que ele aparece disfarçado ou toma a forma de um animal: Zeus, sob a forma de touro,
 arrebatando Europa; sob a forma de águia, abordando Astéria; sob a forma de cisne, conquistando Leda; sob a forma de sátiro, fazendo amor com Antíope; Zeus fazendo-se passar por Anfitríon para seduzir Alcmene, mãe de Heraclés (Hércules); Zeus, o pastor que fez amor com Mnemosine, mulher-titã; e, ainda, Zeus conquistando Egina, Deméter e Danae, disfarçado, respectivamente, de chama, serpente e chuva de ouro. No afã de "tricotear" sua espantosa obra, Aracne incluiu ainda os amores de Posseidon, Apolo, Dionísio e Cronos.
E ao redor de todas as cenas, teceu uma graciosa moldura de hera e flores entrelaçadas.

Desfecho da estória

Tão perfeita foi a obra de Aracne que Atena não conseguiu encontrar nela a mínima falha. Irritada, Atena rasgou a tecelagem em pedaços e
golpeou Aracne na cabeça. Aracne ficou muito triste e, em seu desespero, terminou tentando se enforcar. Atena, ao saber o que sua cólera
 havia provocado, compadeceu-se de Aracne e transformou a corda que ela usara para enforcar-se em uma teia. Em seguida, derramou sobre
Aracne fluidos retirados das ervas da deusa Hecate e transformou-a em uma aranha. Dessa forma, Aracne foi salva da morte e, embora condenada
 a ficar dependurada em sua teia, a beleza de sua arte não ficaria perdida para sempre neste mundo.

fonte: http://www.geocities.com/
(buscar mito de aracne)

 

Para BNDES, crédito para investimento não pressiona a inflação

Para BNDES, crédito para investimento não pressiona a inflação

Segundo o superintendente do banco de fomento, o financiamento da ampliação de capacidade produtiva ajuda a equilibrar a relação oferta e demanda
RIO - O superintendente da Área de Planejamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Cláudio Leal, rebateu nesta sexta-feira, 4, a tese de que os empréstimos do Tesouro Nacional para que o banco opere linhas de financiamento com juros subsidiados para incentivar os investimentos pressionam a inflação. Ao contrário, ele apontou que, ao financiar a ampliação de capacidade produtiva, o BNDES ajuda a equilibrar a relação oferta e demanda.
"Para o BNDES, não existe choque com a política monetária. A contribuição do BNDES se soma aos esforços do Banco Central. No momento em que a gente financia enfaticamente o investimento e, portanto ele gera capacidade produtiva, a gente está ajudando a remover obstáculos ao crescimento. É simples. Estamos financiando capacidade produtiva de tal forma que a oferta seja capaz de atender a uma demanda que vem crescendo e portanto, que não seja necessário o aumento de juros", afirmou, em entrevista coletiva hoje na sede do banco.
O anúncio de um novo empréstimo de R$ 55 bilhões do Tesouro ao BNDES foi vista ontem com reservas por analistas que apontaram a medida como uma contradição em relação ao corte de R$ 50 bilhões do orçamento e à trajetória de alta dos juros básicos da economia pelo Banco Central. Os juros reduzidos do BNDES anulariam parte do efeito do aperto monetário.
Com o novo empréstimo, o BNDES somará R$ 260 bilhões em recursos do Tesouro emprestados em três anos. Cerca de R$ 25 bilhões foi empregada na ampliação da participação do banco na Petrobrás no processo de aumento de capital da estatal, em setembro do ano passado. Dos primeiros R$ 180 bilhões repassados ao banco, R$ 134 bilhões foram destinados ao Programa de Sustentação do Investimento (PSI), que ajudaram na recuperação da taxa de investimento na economia após a forte queda provocada pela crise mundial de 2008.
Leal justificou a manutenção da política em 2010 diante da necessidade de reforçar o investimento, que teve uma reação mais lenta em relação ao consumo durante a recuperação da economia nos últimos dois anos. Ele comemorou a alta recorde de 21,8% da formação bruta de capital fixo na economia em 2010, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em meio ao crescimento de 7,5% do PIB, o maior desde 1986.
Com o empréstimo de R$ 55 bilhões, o BNDES acrescerá outros R$ 20 bilhões de capital próprio para manter o PSI até dezembro deste ano com orçamento de R$ 75 bilhões. As taxas das linhas foram reajustadas. Os juros do financiamento de ônibus e caminhões, por exemplo, subiram de 8% para 10% ao ano. Na Finame, que financia máquinas e equipamentos, os juros subiram dos atuais 5,5% para 6,5% para as pequenas empresas e 8,7% para as grandes.
"O BNDES está em sintonia com o esforço fiscal do governo, tanto que o empréstimo do Tesouro esse ano foi bem menor. A elevação das taxas também reduzirá o custo fiscal com equalização. Além disso, nenhuma linha do BNDES financiará mais de 90% de cada projeto", disse Leal. "É um exercício de racionalização do BNDES e um convite para que o mercado de crédito privado ocupe este espaço, que até agora tem sido ocupado apenas pelo BNDES."
FONTE: O ESTADÃO

Salário mínimo Brasil 2011 – e piso em SC, PR, RS, RJ, SP

Salário mínimo Brasil 2011 – e piso em SC, PR, RS, RJ, SP

Com a aprovação, muito brigada, do novo salário mínimo nacional, temos os seguintes salários mínimos e pisos regionais vigentes no país: Mínimo Nacional – R$ 545,00 (a partir de 1º de março) Pisos regionais São Paulo – R$ 600,00 a R$ 630,00 (veja as faixas) Rio de Janeiro – R$ 553,31 a R$ 1.484,58 (veja as faixas no Artigo 1º da Lei) Paraná – R$ 663,00 a R$ 765,00 (veja grupos no Artigo 1º da Lei) Rio Grande do Sul – R$ 546,57 a R$ 594,42 (faixas no Artigo 1º da Lei) Santa Catarina – R$ 587,00 a R$ 679,00 (faixas aqui) Importante acrescentar que o Rio Grande do Sul já tem proposta do Executivo estadual para reajuste do piso regional em 11,6%, o que pode entrar em vigor já no segundo semestre de 2011, dependendo de aprovação da Assembleia Legislativa. Em Santa Catarina também já há movimento de centrais sindicais em favor de novo piso regional naquele estado. A expectativa é de que o novo valor entre em vigor a partir do início de 2012. No Rio de Janeiro, onde não houve reajuste do piso neste ano, ainda não há previsão de aumento. No Paraná também já se cogita um aumento em breve do salário mínimo no estado, mas os percentuais ainda estão sendo definidos. Agora veja com mais detalhes a realidade nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina: Novo Salário Mínimo em SP – Piso Salarial para 2011 O governador Geraldo Alckmin anunciou novos pisos regionais para o estado de São Paulo. A 1ª faixa, na qual estão incluídos empregados domésticos, trabalhadores de serviços de limpeza e conservação e outros passam, a partir de 1º de abril de 2011, a receber R$ 600 mensais como salário (contra R$ 560 em 2010). A 2ª faixa, na qual estão incluídos operadores de máquinas, garçons, entre outros, passam a receber R$ 610 (contra R$ 570 em 2010). Para a 3ª faixa, onde estão alguns chefes, supervisores, administradores e técnicos, passam a receber R$ 620 (contra R$ 580 em 2010). A inflação do ano passado foi alta, batendo em 5,91% pelo IPCA e 6,4% pelo IPC da Fipe, índices que não ocorriam desde 2004. Mesmo assim, o aumento do piso regional ficou acima da inflação para as 3 faixas (7,14%, 7,02% e 6,9%) respectivamente. Para saber mais sobre o aumento do piso regional em São Paulo e para conhecer detalhadamente as profissões de cada faixa, leia a matéria do SP Notícias. Salário Mínimo Rio de Janeiro 2011 – Valor do Piso Salarial Na localidade a faixa salarial pode variar entre os valores de R$ 553,31 e R$ 1.484,58. Agora ficaremos sabendo as funções e os seus vencimentos propriamente ditos. Quem recebe o valor de R$ 553,31, são trabalhadores de áreas agropecuárias e também florestais. Caso esteja em cargos como empregado doméstico, trabalhe com manutenção, auxiliar de serviços gerais e afins, terá uma base salarial de R$ 581,88. Na faixa dos R$ 603,31 até o valor de R$ 665,77, estão as pessoas que atuam em serviços administrativos, operadores de caixa, vendedores, fiscais, despachantes, cobradores de transporte, administradores, telefonistas, datilógrafos , contadores, entre outros. Caso você tenha atuação em áreas como contabilidade de nível técnico, telecomunicações ou atue como professor de ensino fundamental, advogados, arquivista, contador, entre outras funções, poderão receber vencimentos que ficam entre o valor de R$ 782,93 até R$ 1.484,58. Outra informação importante é que nesta primeira semana de março entrou em vigor a lei que reajusta o salário mínimo para o valor de R$ 545. O governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, afirmou que vai manter o índice de reajuste que foi estabelecido pela nossa presidente Dilma Rousseff. Para conferir todas as informações sobre as funções e as faixas salariais, clique aqui. Salário Mínimo Santa Catarina 2011 – Valor do Piso Salarial No dia 01 de março de 2011, foi aprovado na Assembleia Legislativa do estado que irá acontecer um reajuste de 07% no salário mínimo da região. O acordo firmado entre trabalhadores, empresários e também o governo do Estado, agora faz a faixa salarial passar de R$ 630 para o valor de R$ 730. Agora vamos falar dos pisos salariais de algumas atividades especificas. Em Santa Catarina a divisão é feita por faixas, e na primeira delas encontramos trabalhadores como motoboys, empresas de pesca e aquicultura; também trabalhadores da agropecuária, turismo, construção civil, empregados domésticos, entre outros. Para tais funções a base salarial que era de R$ 587 passa a ser de R$ 630. Na segunda faixa de salários, os quais tinham valores de R$ 616 e passaram a ter R$ 660, agregam os seguintes trabalhadores das indústrias de: fiação de tecelagem, vestuário e calçado, artefatos e couro, papelão, papel e cortiça, distribuidoras e vendedoras e empresas de administração de jornais. Passando para a próxima faixa salarial, vamos encontrar as atividades em indústrias de alimentação, cinematográficas, agentes autônomos, farmacêuticos, comércio em geral; que recebem um valor atual de R$ 695. Na última faixa, o valor praticado anteriormente era de R$ 679, agora passará para vencimentos de R$ 730. Neste grupo estão trabalhadores atuantes de indústrias gráficas, de porcelana, de borracha, de joalheria, de condomínios residenciais, de metalúrgicas, materiais elétricos, entre outros.

"O Mundo Não é um Saco" do IFG leva alunos a evento internacional

Projeto "O Mundo Não é um Saco" do IFG leva alunos a evento internacional

Fonte:|portaluniversidade.com.br|
O Instituto Federal Goiano vai levar o projeto O mundo não é um saco para a Olimpíada Internacional de Projetos Científicos e Ambientais (International Environmental Scientific Project Olympiad, Inespo), que será realizada entre os dias 25 e 30 de abril, em Amsterdã, Holanda. A iniciativa é de alunos e professores do curso técnico em meio ambiente do Campus Ceres e consiste no incentivo ao uso de sacolas ecológicas de algodão cru, estampadas com o slogan do projeto.

Com a aprovação na Inespo, o trabalho da turma agora também é conhecido como The world is not packing e os produtos serão feitos em mais três idiomas, além do português: inglês, francês e neerlandês (holandês).

Outra novidade que a equipe quer levar para a olimpíada são sacolas confeccionadas em tecido pet. “Além de mais baratas, são mais ecologicamente corretas”, destaca a orientadora do trabalho, Maria do Socorro Nascimento.

O mundo não é um saco foi o único projeto de Goiás selecionado para o evento na Holanda. Também vão à Inespo 2011 trabalhos do Colégio Liceu Estadual de Maracanaú (Ceará), Escola Técnica Estadual Getúlio Vargas (São Paulo) e Instituto Federal Fluminense (Rio de Janeiro).

Concurso – Antes da produção das primeiras sacolas ecológicas, a turma responsável pelo projeto organizou um concurso no âmbito de todo o Instituto Federal Goiano para a escolha da logomarca. Depois, elas foram comercializadas nos municípios goianos de Ceres e Rialma.

Segundo a orientadora do projeto, se a comunidade desses municípios adotar a sacola, cerca de 40 milhões de sacos plásticos convencionais serão retirados do meio ambiente. Os recursos obtidos com a venda se revertem na produção de mais sacolas e na inscrição do projeto em novos eventos.

As sacolas do projeto já foram expostas na 25ª Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia (Mostratec). O evento foi realizado entre 19 e 22 de outubro de 2010, na cidade de Novo Hamburgo (RS).